Pesquisa Dentaria.com
  Artigos
  Educação e Formação
  Apoio Bibliográfico Gratuito
  Em@il Profissional
  Classificados
  Médicos Dentistas
  Congressos
  Especialidades
  imagens
  Jornais e Revistas
 
 
  1 de Outubro de 2022
  57 Utilizadores online
Utiliza o odontograma do software informático da sua clínica?
  Sim
  Não
   
O Dentaria.com lançou um Fórum aberto a toda a comunidade! Participe nos temas em discussão ou abra novos temas!
 
. Ordem dos Médicos Dentistas

. Tabela de Nomenclatura e Valores Relativos (Tabela de Honorários)

. Decreto de Lei que aprova o regime de licenciamento e de fiscalização das clínicas e dos consultórios dentários, como unidades privadas de saúde

. Simposium Terapêutico Online (MediMedia)



 

Publicidade

O Dentaria.com foi-lhe útil? Contribua com um DONATIVO!



Relação entre sulcos radiculares e número de canais em pré-molares inferiores. Estudo "in vitro"


Relationship between radicular grooves and the number of canal in mandibular premolars. In vitro study

 

Elilton Cavalcantc PINHEIRO JÚNIOR
Anamaria Pereira Pessoa LEITE
Ricardo Gariba SILVA
Jesus Djalma PECORA
Palavras-chave: Pré-Molares, Anatomia, Raiz dentária,
Key words: Bicuspid,anatomy- Tooth root
Trabalho publicado na Revista da Associação Brasileira de Odontologia ABO Nacional vol 2. n 4: 265-269, ago/set, 1994
 

RESUMO

Os autores analisaram 143 pré-molares inferiores portadores de sulcos radiculares, correlacionando os achados de anatomia externa e interna, e investigaram a importância da detecção desses sulcos como forma de evitar certos insucessos terapêuticos na Endodontia e Periodontia relacionados a essa característica anatômica.

SUMMARY

The authors studied the internal and external anatomy of 143 mandibular premolar with radicular grooves. They studied the importance of detecting theses grooves in order to avoid Endodontic and Periodontic failure, related to this anatomic characteristic

INTRODUÇÃO

A descrição anatômica dada como mias freqüente para os pré-molares inferiores é a de um dente com uma única raiz cônica ou levemente achatada no sentido mésio-distal. abrigando um canal amplo e retilíneo. Entretanto, o aparecimento de mais de uma raiz, ou canal radicular, bem com a presença de sulcos radiculares no sentido cérvico-apical é uma possibilidade lembrada na literatura.

Não há dúvida de que as formas simples de raiz única não sulcada são predominantes. Porém, a incidência e classificação de formas maus complexas variam muito, o que faz com que estas mereçam uma melhor descrição.

GOH (1957) estudou as variações anatômicas das raízes dos pré-molares inferiores na tentativa de explicar certos problemas clínicos e encontrou uma variedade de formas, as quais classificou em: raízes de forma simples, sulco médio buco-lingual. sulco mésio-lingual. sulco vestibular e dois sulcos mesiais.

PECORA et al. (1991) observaram que os primeiros pré-molares inferiores apresentavam-se com um canal radicular em 73% dos caso e com dois canais em 27% dos casos. enquanto os segundos pré-molares apresentavam-se com dois canais radiculares em apenas 9,6% dos casos.

BAISDEN et ali (1992) encontraram uma alta relação entre pré-molares inferiores sulcados e canais em forma de ‘C". Alertaram para a dificuldade na limpeza deste tipo de sistema de canais radiculares quando do tratamento endodôntico.

BACIC et al (1990) afirmaram que os sulcos radiculares são frequentemente associados à destruição localizada de tecido periodontal e às complicações endodônticas.

O presente trabalho teve por objetivo investigar as anatomias externa e interna de um grupo de 143 pré-molares inferiores portadores de sulcos radiculares, devido à sua importância para a Endodontia e Periodontia, segundo o que foi anteriormente descrito.

MATERIAL E MÉTODO

Foram investigados 143 dentes humanos extraídos, sendo 95 primeiros e 48 segundos pré-molares inferiores, portadores de sulcos radiculares, colecionados na região de Ribeirão Preto SP). Os dentes possuíam coroas dentais íntegras o suficiente para possibílitara distinção entre primeiros e segundos prémolares.

Não foram registradas idade, sexo e raça dos pacientes. bem como as razões pelas quais as extrações foram indicadas.

Primeiramente foram examinados os aspectos da anatomia externa, onde cada elemento dentário teve suas medidas obtidas (coroa. raiz e total) com o uso de paquímetro digital, sendo posteriormente separados em grupos, de acordo com suas características morfologicas.

A avaliação dos sulcos radiculares foi feita por meio de inspeção a olho nu ou com o auxílio de lupa (4x). sendo anotados os seguintes aspectos: face da raiz onde está(o) presente(s) o(s) sulco); localização do(s) sulco(s) no sentido longitudinal, por face da raiz; número de sulcos por face e raiz; extensão e profundidade do(s) sulco(s).

Para o estudo da anatomia interna, procedeu-se à diafanização de todos os dentes de acordo com o método empregado por PÉCORA et ali (1991), sua posterior inclusão em blocos de resina e análise da morlologia do(s) canal(is) radicularies.

RESULTADOS

Anatomia externa

Os primeiros pré-molares inferiores analisados apresentaram 22.8 mm de comprimento médio, com variações na faixa de 19,1 a 26,5 mm. enquanto os segundos pré-molares apresentaram 21.8 mm de comprimento médio, 26mm de comprimento máximo, e 17.6mm de comprimento mínimo.

Feita a separação dos espécimes de acordo com o número de raízes, foram encontrados 79 primeiros pré-molares com uma raiz, 19 com duas raízes e dois com três raízes. Os segundos pré-molares apresentaram 71 espécimes com uma raiz, 27 com duas raízes e dois com três raízes.

A Figura 1 mostra pré-molares inferiores sulcados com três, duas e uma raiz.

A Figura 2 mostra pré-molares inferiores com sulcos radiculares em diferentes terços de suas raízes.

A incidência dos sulcos radiculares quanto as faces vestibular e lingual das raízes. esta expressa na Tabela 1.

As raízes foram divididas longitudinalmente em três terços. sendo registrada a presença de sulcos em cada um deles

(Figuras 3a e 3b).

As figuras 3a e 3b mostram as variações encontradas na localização dos sulcos radiculares nas faces vestibular e lingual das raízes dos primeiros e segundos pré-molares inferiores. respectivamente.

A incidência dos sulcos radiculares nas faces mesial e distal das raízes está expressa na Tabela 2. As raízes foram divididas lon gitudinalmente em três terços. sendo registrada a presença de sulcos em cada um deles (Figura 4).

A Figura 4 mostra variações encontradas na 1oca lização de sulcos radiculares nas faces mesiais e distais dos pré-molares inferiores.

A configuração dos canais radiculares foi observada com os dentes diafanizados separados em uni, bi e trirradiculares. Os resuItados estão expressos na Tabela 3.

A Figura 5 mostra as variações de anatomia interna encontradas na amostra analisada.

DISCUSSÃO

Até um passado recente, o endodontista trabalhava com dados anatômicos muito pobres. Uma das principais razões para o fracasso na terapia dois canais radiculares estava relacionada a essa falta de conhecimento da anatomia interna e, principalmente, de suas variações.

A presente investigação visou estudar com mais detalhes uma variação anatômica freqüente mas pouco mencionada nos compêndios de Anatomia. Endodontia e Periodontia: os sulcos radiculares, correlacionando essa característica da anatomia radicular externa com a anatomia interna de um grupo específico de dentes.

Utilizou-se o método de descalcificação e diafanização para o estudo da anatomia interna por apresentar as seguintes vantagens:

a) dá uma visão tridimensional dos canais radiculares; b) guarda as relações devidas entre os canais radiculares, a coroa e a raiz dos dentes; c) não altera a forma interna da cavidade poupar ; d) é econômico.

Na amostra de dentes estudada, foram encontrados sulcos radiculares em todas as faces mesiais e distais. Estes sulcos, quando presentes nas faces vestibulares ou linguais, encontravam-se isolados, enquanto que nas faces mesiais ou distais, apresentam-se em número variáveis de 1 a 2. Tal distribuição, aliada à profundidade do sulco, confere caracteristica de bifurcação ou trifurcação ao dente.

Avaliando a extensão e profundidade dos sulcos radiculares, observou-se que variam bastante, podendo ser rasos e pouco desenvolvidos; ficando restritos ao terço médio da raiz ou se estenderem mais apicalmente e cervicalmente; aprofundando-se a ponto de resultar na divisão da porção apical da raiz ou mesmo desde sua porção média (figura 2).

Na maioria dos casos onde ocorria sulcos profundo nas faces proximais da raiz, forma-se uma raiz vestibular e outra lingual. Porém, encontraram-se amostras com formação de raízes mesiais e distais bem desenvolvidas, formadas a partir de sulcos profundos nas suas superfícies vestibulares e linguais, contrariando achados da literatura, que afirmam ser rara a bifurcação dos pré-molares inferiores mas, quando ocorre, um ramo da raiz é vestibular e o outro lingual.

Nos casos onde se observou a trifurcação, esta raramente desenvolvia-se o suficiente para formar três raízes distintas. Quando isso ocorria, formavam-se duas raízes vestibulares (mésio-vestibular e disto-vestibular) e uma raiz lingual. Isso ocorreu em 2% dos casos. Na amostra estuda, observou-se uma forte relação entre a presença de sulcos radiculares, principalmente os mesiais, e o aparecimento de dois ou, em casos raros, três canais, com conformação bem variada.

Observou-se que nos pré-molares inferiores com raiz sulcada, a presença de dois canais foi encontrada na ordem de 63,2% nos primeiros e 60,6% no segundos.

Clinicamente, a não ser em casos de retratamento gengival, fica muito difícil verificar se o dente apresenta- se com sulco radicular, uma vez que o exame radiográfico dá uma imagem bidimensional de um objeto tridimensional. Com os sulcos estão dispostos no sentido cérvico-apical, a sua imagem é projetada sobre a da polpa, nos casos de sulcos pela vestibular ou lingual. Falta, assim. um método para detectar clinicamente a presença dos sulcos radiculares.

Os pré-molares inferiores com raízes sulcadas merecem atenção e estudo, uma vez que esse dente apreseta sérias dificuldades de tratamento, tanto para o endodontista quanto para o periodontista.

CONCLUSÕES

1 Os sulcos radiculares podem estar presentes. isolados ou não. em qualquer das faces das raízes dos pré-molares inferiores, porém são mais encontrados nas faces mesiais.

2. A profundidade e extensão dos sulcos radiculares variam muito, podendo se apresentar bem rasos ou profundos o suficiente para resultar na bifurcação ou trifurcação das raízes.

3. A presença de sulcos radiculares quase sempre resulta no aparecimento de mais de um canal nos pré-molares inferiores, independe da existência de bifurcação radicular.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1 – BACCI,M.; KARACAS, Z.; KAIC, Z.; SUTALO, J The association between palatal grooves in upper incisors and periodontal complications. J.Periodontol., v.61, n.3, p. 197-199, Mar. 1990.

2 – BAISDEN, M.K.; KULID, J.C.; WELLER, R.N. Root canal configuration of mandibular first premolar. J.Endod., v.18, n.10, p. 505-508, Oct. 1992.

3 – De DEUS, Q.D. Topografia da cavidade pulpar e do periápice, In: Endodontia. 5 ed. Rio de janeiro: Editora Médica e Cientifica, 1992, p. 46-49.

4 – DELLA SERRA, O.; FERREIRA, F.V. Anatomia Dental. 3 ed. São Paulo, Artes Médicas, 1981.

5 – GOH, S.W. Variations in the morphology of mandibular premolar roots. Br. Dent. J., v.102, n.8, p.311-314, 1957.

6 – INGLE, J. I.; BEVERIDGE,E.E. Endodontics, 2. Ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1976.

7 – OKUMURA, T. Anatomy of the root canals, J.Am.Dent.Assoc.,v.14,n.4,p.632-636, 1927.

8 – PÉCORA, J.D.; SAVIOLI, R.N.; COSTA, L.F.; CRUZ FILHO, A.M.; FIDEL, S.R. Estudo da anatomia interna e do comprimento dos pré-molares inferiores. Ver. Bras. Odont., v.48, n.3, p.31-36, Maio/Jun. 1991.

9 – PINEDA,F.; KUTLER, Y. Mesiodistal and bucolingual roentgenografic investigation of 7,275 root canals. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol., v.36, n.2, p. 253-260, Feb. 1990.

10 – VERTUCCI, F.J. Root canals morphology of mandibular premolars, J.Am.Dent.Assoc.,v.97,n.1,p.47-50,1978.

11 – ZILLICH,R.; DAWSON,J. Root canal morphology of mandibular first and second premolars. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol., v.36, n. 5, p.738-744.nov.1973.
  COPYRIGHT 1999 Webmaster J.D. Pécora, Reginaldo Santana Silva Update 15/sept, 1999
Esta página foi elaborada com apoio do Programa Incentivo à Produção de Material Didático do SIAE - Pró - Reitorias de Graduação e Pós-Graduação da Universidade de São Paulo


Dentaria.com © 1999 - 2002, Todos os direitos reservados.
Toda a informação apresentada é propriedade do Dentaria.com não podendo ser total ou
parcialmente reproduzida sem a devida autorização. Contacte a equipa Dentaria.com