Pesquisa Dentaria.com
  Artigos
  Educação e Formação
  Apoio Bibliográfico Gratuito
  Em@il Profissional
  Classificados
  Médicos Dentistas
  Congressos
  Especialidades
  imagens
  Jornais e Revistas
 
 
  1 de Outubro de 2022
  57 Utilizadores online
Utiliza o odontograma do software informático da sua clínica?
  Sim
  Não
   
O Dentaria.com lançou um Fórum aberto a toda a comunidade! Participe nos temas em discussão ou abra novos temas!
 
. Ordem dos Médicos Dentistas

. Tabela de Nomenclatura e Valores Relativos (Tabela de Honorários)

. Decreto de Lei que aprova o regime de licenciamento e de fiscalização das clínicas e dos consultórios dentários, como unidades privadas de saúde

. Simposium Terapêutico Online (MediMedia)



 

Publicidade

O Dentaria.com foi-lhe útil? Contribua com um DONATIVO!



Efeito da redução da tensão superficial das soluções de hipoclorito de sódio em diferentes concentrações sobre a permeabilidade da dentina radicular


Publicado originalmente em: PECORA, J.D.; SOUSA-NETO, M.D.; GUERISOLI, D.M.Z.; MARCHESAN, M.A. Effect of reduction of the surface tension of different concentrations of sodium hypochlorite solutions on radicular dentine permeability. Braz. Endod. J. 3(2): 38-40, 1998.

Jesus Djalma PÉCORA
Professor Titular do Departamento de Odontologia Restauradora da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Manoel D. SOUSA-NETO
Professor Titular da Faculdade de Odontologia da Universidade de Ribeirão Preto.

Danilo M. Zanello GUERISOLI
Aluno de Pós-graduação, Bolsista FAPESP, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Melissa Andréia MARCHESAN
Aluna de Pós-graduação, Bolsista FAPESP, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Departmento de Odontologia Restauradora
Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto
Universidade de São Paulo.
Av. do Café s/n
Ribeirão Preto, SP
14040-904


Summary

The authors compared the effect of reducing the surface tension of sodium hypochlorite solutions at the concentrations of 0.5, 1.0, 2.5 and 5.0% on radicular dentine permeability. Forty-five maxillary human canines were prepared by step-back instrumentation technique and submitted to morphometric study. Sodium hypochlorite solutions increased dentine permeability more efficiently than water. Sodium hypochlorite solutions associated with 0.1% lauryl diethyleneglycol ether sodium sulfate were more effective than pure solutions in increasing dentine permeability. The apical region of the maxillary canines showed the least permeability.

Introdução

As soluções de hipoclorito de sódio são utilizadas como desinfetante desde o século XVIII e seu uso na Odontologia teve início na segunda década do século XX, com BARRETT2, que preconizava a irrigação dos canais radiculares com líquido de Dakin. Atualmente, as soluções de hipoclorito de sódio são as mais utilizadas por dentistas de todo o mundo nos tratamentos endodônticos, devido às suas propriedades altamente desejáveis como bactericida, desodorizante e solvência de tecido3, 6, 9. O efeito do hipoclorito de sódio na permeabilidade dentinária foi estudado por diversos autores1, 4, 12, que concluíram que o hipoclorito de sódio promove um aumento da permeabilidade dentinária. A alta tensão superficial das soluções de hipoclorito de sódio, próxima à da água, impede um contato íntimo deste líquido com a dentina. A redução da tensão superficial destas soluções foi pesquisada por GUIMARÃES7, 8, 10, LEONARDO & LEAL7, 8, 10 e PÉCORA et al.7, 8, 10, entre outros. O presente trabalho propõe-se a avaliar o efeito sobre a permeabilidade dentinária da redução da tensão superficial das soluções de hipoclorito de sódio, em diferentes concentrações, quando associadas a 0,1% de tensoativo aniônico (lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio).

Materials and methods

Um total de 45 caninos superiores humanos extraídos conservados em timol 0,1% à 4ºC até o momento do uso foram utilizados neste experimento. Esses dentes foram distribuídos aleatoriamente em nove grupos de cinco dentes cada e lavados em água corrente por 24 horas a fim de se eliminar traços da solução de timol, sendo em seguida secos com jato de ar.

A cirurgia de acesso foi executada segundo os princípios endodônticos e a instrumentação foi feita da seguinte forma: o comprimento de trabalho foi considerado como o comprimento total do dente. Após a determinação do diâmetro anatômico apical instrumentou-se o canal radicular com mais duas limas subseqüentes. Procedeu-se a instrumentação com a técnica step-back, e as soluções irrigantes utilizadas para cada grupo foram: hipoclorito de sódio nas concentrações de 0,5; 1,0; 2,5 e 5,0% puros e associados a 0,1% de tensoativo aniônico (lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio). Água destilada e deionizada foi utilizada como controle. O tempo de instrumentação padronizado foi de um minuto para cada instrumento e a irrigação do canal radicular foi realizada com 10,8 ml de solução testada. Após a instrumentação, todos os canais receberam uma irrigação final com 10,8 ml da solução testada.

Em seguida, esses dentes tiveram a superfície externa revestida com duas camadas de cianoacrilato.

Foi utilizada a técnica de FEIGL5 para spot-tests modificada para determinar a permeabilidade dentinária. Os reagentes envolvidos nesta reação são o ácido rubeânico em solução alcoólica, hidróxido de amônia e sulfato de cobre.

Após o preparo de uma solução aquosa de sulfato de cobre a 10%, era adicionado a esta 25 ml de hidróxido de amônia a 25%. Cada grupo de raízes era imerso nesta solução e vácuo era aplicado por 5 minutos para eliminação de eventuais bolhas de ar no interior do canal radicular. As raízes permaneciam nesta solução por mais 25 minutos, após o que eram removidas do recipiente e secas com toalhas de papel absorvente e os canais radiculares com cones de papel. Feito isso, as raízes eram imersas em outro recipiente contendo solução alcoólica de ácido rubeânico a 1,0%, recebendo então tratamento idêntico ao descrito anteriormente. O sulfato de cobre presente nos canalículos dentinários, em contato com o ácido rubeânico, produz uma coloração intensa, que varia do azul escuro ao negro.

Após o ensaio histoquímico, as raízes eram incluídas em resina acrílica de rápida polimerização para confecção dos blocos a serem cortados. Secções sagitais de 500 µm de espessura representativas das regiões cervical, média e apical das raízes foram obtidas. Durante o processo de secção, tanto os blocos de resina com as raízes incluídas quanto o disco diamantado recebiam um jato de água para refrigeração, evitando a queima da dentina. De acordo com um critério previamente estabelecido, 2 amostras eram usadas para representar cada região do canal - o primeiro e o quarto corte serial de cada terço radicular. Os cortes eram então lixados sob água corrente e então colocados em um recipiente para lavagem, eliminando assim restos de pó de dentina ou de lixa. Feito isso, as secções eram desidratadas em três banhos de álcool absoluto, diafanizadas em três banhos de xilol e montadas em lâminas de microscopia com Entellan (Merck). A morfometria foi executada em um microscópio dotado de grade de integração com distância inter-pontos de 500 µm e jogo de lentes proporcionando um aumento de 12x, o que permitia uma visão panorâmica do corte histológico. A grade permitia uma avaliação da área observada, usando como referência o número de pontos (p) presentes na área e a distância entre eles. Apesar da área ter contorno irregular, pode ser considerada como um círculo geometricamente regular para permitir a comparação com a base de um denominador comum, ou seja, o raio. Assim, a área circular correspondente à toda a superfície observada foi chamada de At, com raio Rt; a área correspondente ao canal radicular foi chamada de Ac, com um raio Rc e a área externa que recebeu a pigmentação foi chamada de Am, com um raio Rm. A equação para determinação de área do círculo foi aplicada: A=pR2. Uma série de cálculos algébricos elementares para determinação da porcentagem de dentina manchada pela reação histoquímica reduziu a equação inicial para a seguinte fórmula:

onde: PM = pontos na área manchada, PT = total de pontos, and PC = pontos na área do canal.

Resultados

Os valores apresentados na Tabela 1 foram obtidos a partir da equação apresentada, correspondendo às médias do percentual de infiltração do complexo de rubeanato de cobre na dentina radicular.

Tabela 1: Média dos valores, em porcentagem, da profundidade de infiltração do complexo rubeanato de cobre na dentina radicular.
 
Soluções irrigantes
Terços radiculares
NaOCl 5,0% 
NaOCl 5,0%
+
Tensoativo
NaOCl 2,5% 
NaOCl 2,5%
+
Tensoativo
NaOCl 1,0% 
NaOCl 1,0%
+
Tensoativo
NaOCl 0,5% 
NaOCl 0,5%
+
Tensoativo
Água
Cervical
16.75
20.50
10.28
11.57
13.18
11.10
13.85
16.70
6.07
Médio
20.33
19.98
12.16
14.78
13.37
13.00
15.21
16.19
4.44
Apical
14.19
14.15
12.26
15.71
7.68
15.84
7.11
11.15
1.47

A análise de variância mostrou diferenças estatisticamente significantes (p < 0.01) entre as soluções testadas e entre os três terços radiculares.

A adição de 0,1% de lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio às soluções foi suficiente para reduzir os valores de tensão superficial em quase 50%.

O teste de Tukey acusou que todas as soluções de hipoclorito de sódio estudadas, quer puras quer associadas com o tensoativo aniônico lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio foram mais efetivas do que a água em promover o aumento da permeabilidade dentinária. Também observa-se que as soluções de hipoclorito de sódio associadas ao tensoativo promovem um maior aumento da permeabilidade dentinária do que as soluções puras.

No que concerne aos terços das raízes, o teste de Tukey elucida que no incisivo central superior o terço médio é mais permeável que o terço cervical e o terço apical mostrou-se como o menos permeável.

Discussão

As soluções de hipoclorito de sódio são as mais utilizadas para a irrigação dos canais radiculares em diversos países, mais comumente nas concentrações de 0,5%; 1,0%; 2,5% e 5,0%. No presente trabalho observou-se que a adição de 0,1% do tensoativo aniônico lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio era suficiente para reduzir a tensão superficial das soluções de hipoclorito de sódio estudadas em quase 50%.

A permeabilidade dentinária foi aumentada significantemente pela adiçào de tensoativo às soluções de hipoclorito de sódio (vide teste de Tukey). Este teste também constata um aumento da permeabilidade dentinária nos dentes submetidos à irrigação com hipoclorito de sódio quando comparados àqueles irrigados com água.

Esses resultados podem ser explicados com base nos seguintes fatos: a) a água apresenta tensão superficial muito alta (71,31 dinas/cm) e não atua quimicamente sobre os componentes orgânicos e inorgânicos presentes no interior do canal radicular; b) o hipoclorito de sódio a 0,5% apresenta tensão superficial próxima à da água (68,8 dinas/cm) e as demais soluções de hipoclorito de sódio estudadas, tensão superficial maior do que a da água, porém atuam sobre componentes orgânicos. A adição de 0,1% de lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio reduz, em muito, a tensão superficial das soluções estudadas; c) A redução da tensão superficial das soluções de hipoclorito de sódio favorece a umectação, ou seja, a capacidade de molhar a superfície das paredes dos canais radiculares. Possibilitando um maior contato, pela redução da tensão superficial, ocorrerá maior ação química do hipoclorito de sódio8, 10.

No que diz respeito aos terços das raízes, estes são diferentes entre si e o terço apical mostrou a menor permeabilidade dentinária.

Conclusões

Baseados na metodologia empregada e nos resultados obtidos, podemos concluir que:
  • As soluções de hipoclorito de sódio nas concentrações de 0,5%; 1,0%; 2,5% e 5,0% quer puras ou associadas com 0,1% de lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio promoveram maior aumento da permeabilidade dentinária do que a água;
  • As soluções de hipoclorito de sódio nas concentrações de 0,5%; 1,0%; 2,5% e 5,0% associadas com 0,1% de lauril dietilenoglicol éter sulfato de sódio são mais efetivas em promover aumento da permeabilidade dentinária do que as soluções de hipoclorito de sódio puras;
  • A região apical do canal radicular dos incisivos superiores humanos apresenta menor permeabilidade dentinária do que as regiões cervical e média.

Agradecimentos

Esta pesquisa foi financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Referências

  1. Barbosa SV, Safavi KE, Spangberg SW (1994) Influence of sodium hypochlorite on the permeability and structure of cervical human dentine. International Endodontic Journal 27, 309-12.
  2. Barret MT (1917) The Dakin-Carrel antiseptic solution. Dental Cosmos59, 446-8.
  3. Cohen, S & Burns, RC (1998) Pathways of the pulp, 7th edn, St Louis, MS, USA: Mosby Inc.
  4. Cohen S, Stewart GG, Laster LL (1970) The effects of acids, alkalies and chelating agents on dentine permeability. Oral Surgery, Oral Medicine, Oral Pathology 29, 631-4.
  5. Feigl F (1958) Spot test in inorganic analysis. 1st edn. Amsterdan Sevier.
  6. Grossman LI, Maiman BW (1941) Dissolution of pulp tissue by chemical agents. J Amer Dent Ass 28, 223-5.
  7. Guimarães LFL, Robazza CRC, Murgel CAF, Pécora JD (1988) Tensão superficial de algumas soluções irrigantes dos canais radiculares. Revista de Odontologia da USP 2, 6-9.
  8. Leonardo MR, Leal JM (1991) Endodontia: Tratamento dos canais radiculares. 2nd edn. São Paulo, Brazil: Panamericana.
  9. Moorer WR, Wesselink PR (1982) Factors promoting the tissue dissolving capability of sodium hypochlorite. International Endodontic Journal 15, 186-7.
  10. Pécora JD, Guimarães LF, Savioli RN (1991) Surface tension of several drugs used in endodontics. Brazilian Dental Journal 2, 123-9.
  11. Silva RG (1988) Avaliação da permeabilidade dentinária radicular após a instrumentação manual e ultra-sônica utilizando método histo-químico. Ribeirão Preto, SP, Brazil: University of São Paulo (Master's Thesis).
  12. Zuolo M, Murgel CAF, Pécora JD, Antoniazzi JH, Costa WF (1987) Ação do EDTA e suas associações com tensoativos na permeabilidade da dentina radicular. Revista de Odontologia da USP 1, 18-23.



Dentaria.com © 1999 - 2002, Todos os direitos reservados.
Toda a informação apresentada é propriedade do Dentaria.com não podendo ser total ou
parcialmente reproduzida sem a devida autorização. Contacte a equipa Dentaria.com