Pesquisa Dentaria.com
  Artigos
  Educação e Formação
  Apoio Bibliográfico Gratuito
  Em@il Profissional
  Classificados
  Médicos Dentistas
  Congressos
  Especialidades
  imagens
  Jornais e Revistas
 
 
  1 de Outubro de 2022
  53 Utilizadores online
Utiliza o odontograma do software informático da sua clínica?
  Sim
  Não
   
O Dentaria.com lançou um Fórum aberto a toda a comunidade! Participe nos temas em discussão ou abra novos temas!
 
. Ordem dos Médicos Dentistas

. Tabela de Nomenclatura e Valores Relativos (Tabela de Honorários)

. Decreto de Lei que aprova o regime de licenciamento e de fiscalização das clínicas e dos consultórios dentários, como unidades privadas de saúde

. Simposium Terapêutico Online (MediMedia)



 

Publicidade

O Dentaria.com foi-lhe útil? Contribua com um DONATIVO!



Diabete melito - Aspectos práticos de interesse do cirurgião-dentista


Leônidas Galbas Santos
- Cirurgião Dentista
- Clínico geral e responsável técnico, formado pela F.O.U.F.M.G em 1978.


Neste artigo estudaremos o conceito da diabete, sua classificação, sintomas e complicações, risco e cuidados especiais com pacientes que sofrem da doença.
DIABETE MELITO - Aspectos Práticos de Interesse do Cirurgião-Dentista

CONCEITO

Insuficiência total ou parcial da concentração de insulina, falta de resposta ou resposta inadequada dos tecidos periféricos à insulina existente.

CLASSIFICAÇÃO

Tipo I - Insulino-dependente ( Diabete infanto juvenil): Inicia-se antes dos 40 anos, maior instabilidade metabólica, tendência a cetose e a cetoacidose. Na maioria das vezes os pacientes são magros, necessitando de insulina para controle.

Tipo II - Insulino-independente ( Diabete da maturidade): Inicia-se após os 40 anos, peso normal ou obeso. Maior estabilidade metabólica, podendo ser controlados com dietas e ou hipoglicemiantes orais.

SINTOMAS

- polidipsia (sede excessiva),
- poliúria (secreção excessiva de urina),
- nictúria (urina noturna maior que de dia),
- polifalgia (fome excessiva),
- prurido vulvar,
- alterações visuais (embaçamento),
- dores dos membros inferiores,
- astenia ( debilidade orgânica - fraqueza),
- perda de peso.

Pode estar assintomático ou oligossintomático:

- nictúria, vulvovaginite, etc.

VALORES DA GLICEMIA

Em jejum:

normal: < 115 mg/dl
alterada: entre 116 a 139 mg/dl
diabete: > 140 mg/dl.

Após os 50 anos a glicemia pode estar aumentada em 10 mg/dl por década.

COMPLICAÇÕES

Instabilidade cardiovascular, desidratação, alterações no estado mental, coma, morte.

Aumento do risco de infeções cutâneas, bucal e do trato urinário.

Alteração da motilidade gastrintestinal, hipotensão postural, impotência sexual, poli e mononeuropatias sensitivo-motora periféricas com perda sensoriais importantes.

Alterações renais, visuais e cutâneas.

Doenças macrovasculares.

Dificuldade de cicatrização.

AVALIAR

Paciente com suspeita de diabete:

Aqueles que podem estar apresentando sinais e sintomas ou com história familial deve fazer o exame de glicemia. Aqueles com glicemia aumentada devem ser encaminhados ao médico.

Pacientes conscientes de serem diabéticos:

Devem ser pesquisados sobre o início da diabete, tipo de controle ou tratamento (dieta, agentes hipoglicêmicos, insulina), resultados dos exames, história de cetoacidose e hipoglicemia, e se existe complicações provocada pela diabete.

RISCOS

Pequeno Risco:

Regime estável, bom controle metabólico, ausência de cetoacidose ou hipoglicemia, sem complicação provocada pela diabete, glicemia menor que 200 mg/dl e glicosúria mínima (de traços a 1+).

Médio Risco:

Regime estável, razoável controle metabólico, sem história recente de hipoglicemia ou cetoacidose, poucas complicações, glicosúria média (0 a 3+) sem cetonas e glicemia menor que 250 mg/dl.

Grande Risco:

Controle metabólico deficiente, sintomas, hipoglicemia e cetoacidose freqüentes, várias complicações, glicemia maior que 250 mg/dl e glicosúria alta (4+) e ou cetonúria.

CUIDADOS ESPECIAIS

Consultas curtas no meio da manhã, tranqüilizante ou sedação complementar, continuar com a dieta normal antes do tratamento.

Se a consulta demorar, interromper para refeição leve (copo de suco).

Se após o tratamento houver dificuldade de alimentação sólida, prescrever alimentos pastosos e líquidos.

Reduzir ao mínimo a possibilidade de Infecção.

Usar profilaxia com antibióticos em pós-operatórios cirúrgicos.

Cuidado especial com as doenças periodontais.

Não usar vasoconstritores adrenérgicos.

Consultar o médico para saber se é preciso adequar a dose de insulina para o tratamento odontológico.

CONDUTA

Pacientes de pequeno risco:
Pode ser realizado, tomadas as precauções devidas, os procedimentos clínicos não cirúrgicos. Os procedimentos cirúrgicos devem ser acrescidos de sedação auxiliar e adequação da dose de insulina pelo médico.

Pacientes de risco moderado:
Procedimentos clínicos não cirúrgicos com possível uso de sedação auxiliar. Procedimentos cirúrgicos menores com ajuste da dose de insulina pelo médico. Cirurgias maiores além do ajuste da insulina há a possibilidade de internação.

Pacientes de grande risco:
Adiar o tratamento até as condições metabólicas se equilibrarem, controle enérgico das infeções bucais.

BIBLIOGRAFIA

O presente artigo foi extraído, e gentilmente cedido pelo autor para publicação no www.odontologia.com.br, a partir do livro que está escrevendo: "Aspectos Legais em Odontologia e Doenças Sistêmicas de Interesse do Cirurgião-Dentista". A bibliografia parcial se refere a obra:

1. Compêndio de Psiquiatria (com atenção à Psicologia Médica). T.H. Spoerri e colaboração de J. Hodel - Livraria Atheneu Ltda - 8a edição - 1979

2. Diagnóstico Bucal. Antônio Fernando Tommasi e Colaboradores - Medisa Editora Ltda - 1a Edição 1977

3. Diagnóstico das Doenças da Boca e dos Maxilares. Eward V. Zegarelli, Austin H. Kutscher e George A. Hyman - Guanabara Koogan - 2a edição - 1982

4. Farmacologia Clínica e Terapêutica. Otto Miller e Colaboradores - Livraria Atheneu - 14a edição - 1988

5. Fichário Clínico Terapêutico. Vários autores, coordenado por Dr. Ernani Saltz. - Editora Revinter - 1994

6. Guia Terapêutico Odontológico. Nicolau Tortamano - Coordenador Livraria e Editora Santos - 4a edição e 1a reimpressão 1984

7. Manual de Farmacologia Clínica, Terapêutica e Toxicologia. Darcy Roberto Lima, MD, PH.D., FCCP - Guanabara Koogan - 1994

8. Medicina Oral. Stephen T. Sonis, Robert C. Fazio, Leslie Fang - Guanabara Koogan - 1989

9. Patologia Bucal. Ney Soares de Araújo e Vera Cavalcanti de Araújo - Livraria Editora Artes Médicas Ltda - 1a edição 1984

10. Patologia Bucal. Willian G. Shafer, Maynard K. Hine e Barnet M. Levy Interamericana - 3a edição - 1974

11. Periodontia - Um Conceito Clínico-Preventivo. Badeia Marcos - Guanabara Koogan - 1977

12. Periodontologia Clinica. Irving Clickman - Nueva Editorial Interamericana - 4a edição em espanhol - 1974


Extrato do capítulo "Doenças Endócrinas" do livro "Aspectos Legais em Odontologia e Doenças Sistêmicas de Interesse do Cirurgião-Dentista"




Dentaria.com © 1999 - 2002, Todos os direitos reservados.
Toda a informação apresentada é propriedade do Dentaria.com não podendo ser total ou
parcialmente reproduzida sem a devida autorização. Contacte a equipa Dentaria.com